De aluno e professor da Cidade dos Meninos a Diretor de Escola

Publicado em 22/07/2019

Gleidson Benedito da Silva tem 36 anos e é professor de história, assumiu neste mês de julho o maior desafio da carreira, a direção da Escola Estadual do Bairro Rosaneves. Eleito juntamente com sua chapa com 97% dos votos. Ex-aluno e ex-professor da Cidade dos Meninos, Gleidson tem uma trajetória de luta e superação que somente a educação proporciona.  

 1 - Gleidson você uma história de superação conta pra gente como foi que conseguiu se formar em história? 

 Em primeiro lugar gostaria de agradecer pela oportunidade de poder conceder esta entrevista. Uma vez que são poucas as pessoas que nos dias atuais podem relatar sua trajetória de vida. Me sinto muitíssimo lisonjeado nesse momento. Em relação aos processos de superação. Ligamos o atual momento em que vivemos, com a história dos nossos antepassados. Sou tataraneto de escravos, a escravidão foi um mecanismo que criou desigualdades e discrepâncias no nosso país. Eu, fui fruto dessas discrepâncias. Superar algo que foi provocado por uma instituição é mais complexo do que se imagina. Não dependerá apenas de seu esforço, mas, também de fatores externos. Em primeiro lugar, Deus, não pode ter outro nome com relação a superação, segundo lugar, minha mãe, Dona Magner, ela não abria mão de seus filhos terem que freqüentar a escola, para ela, a educação te garante muitas possibilidades, te faz diferente, educação para Dona Magner é primordial, assim fui criado, em terceiro lugar um senhor, que me viu com 14 anos de idade, com uma altura de 1.85 centímetros me estimulou a praticar esportes, me indicou um clube, me levou no local, Olympico Club, no qual pratiquei basquete por dois anos. Momento crucial na minha vida. Me distanciei dos problemas diários do meu bairro no qual fui criado, Rosaneves, as contradições de ser adolescente, negro e vulnerável a todas as intempéries do local. Estudava na Cidade dos Meninos pela manhã isso, exatamente no ano 2000, 1º ano do Ensino Médio, a tarde, ia para o Olymplico Club, praticar a modalidade esportiva. No ano 2000, deixei a modalidade esportiva, devido aos problemas financeiros e sociais. Dali em diante, o foco seria os estudos, provável formação, Professor de História. Sempre achei que escola foi um grande lugar de trocas de experiência, me sentia muito bem naquele local. Assim foi feito, no ano de 2005 fiz o processo seletivo no UNI-BH para História, logo ingressei, consegui Bolsa Social da própria faculdade de 50%. Trabalhava em uma indústria farmacêutica, das 08:00 as 17:48, logo na seqüência faculdade das 19h às 22h. Assim foi por 4 anos. Consegui em graduar em História em dezembro de 2008. 

2 - Gleidson conta pra gente como é sua história com a educação? Desde quando está na sala de aula? 

Iniciei a licenciatura em 18 de abril de 2009. Na Escola Estadual do Bairro Rosaneves, no qual foi o lugar onde fui criado. Onde aprendi a ler e escrever. No ano de 2016, ao me tornar Vice-diretor no turno da tarde da Escola Estadual do Bairro Rosaneves, concorri a uma designação no mesmo ano. Escolhi ir para a Escola Estadual Doutor Reynaldo Martins Marques, no qual no mesmo ano, mês de abril, fui nomeado no Concurso Estadual, tomei posse na Escola Estadual Doutor Reynaldo Martins Marques, no qual meu cargo efetivo está lotado na localidade. Então, no ano de 2019 estou completando uma década como professor.

 3 - Você mora no Rosaneves há muito tempo? Como é a relação com essa comunidade? 

Minha História com o Rosaneves inicia no ano de 1992, morávamos no bairro Renascença em Belo Horizonte de aluguel, meu pai comprou nossa casa própria, viemos para o Rosaneves. Meu pai, minha mãe, eu com 9 anos de idade, uma irmã com 6 anos e outra irmã com 6 meses. Meus pais me matricularam na Escola Estadual do Bairro Rosaneves, foi o início de tudo. Minha história de vida está entrelaçada a História do Bairro Rosaneves. No qual conheci meus amigos, onde vivi os melhores momentos de recordação. Onde aprendi a discernir o que queria da vida, quais caminhos a seguir, quais decisões a serem tomadas. 

 4 - Você tem uma história com a Cidade dos Meninos também, além de aluno, você foi professor da escola e agora saiu somente para assumir a direção da Escola do Rosaneves. Conta pra gente a respeito disso? Como a Cidade dos Meninos contribui para chegar onde chegou hoje

Os moradores do Bairro Rosaneves tinham que fazer uma escola, seus responsáveis também. Ao terminarmos o 5º ano, até o ano de 1995 tinha que se fazer uma escolha, onde iríamos estudar quando os anos de escola se encerrava no Rosaneves. Minha mãe conseguiu uma vaga no Caic, que fiquei de 1995 a 1999, e de 2000 a 2002 na Cidade dos Meninos. Quando cheguei na Instituição, vi a estrutura, o método, como percebe o ser humano, os cursos de formação. Ah foi encantador. Foram um dos melhores anos da minha vida. Motivação para estudar, compreender que tem possibilidades de vida, ampliação dos horizontes. Foram os três anos mais rápidos da minha vida. Como sou grato a Cidade dos Meninos por tudo que ela me proporcionou. Como ampliou meus horizontes, como os professores me instruíram para ser uma pessoa melhor. Como investir na educação é tão importante. Devo muito a Cidade.

 5 - Quais serão seus maiores desafios agora como diretor, a responsabilidade de conduzir uma escola de um bairro marcado pelos altos índices de vulnerabilidade social e violência? 

A Escola Estadual do Bairro Rosaneves, possui 32 anos de História, a escola serve muito a comunidade. Pois, são cerca de 800 alunos inseridos. Cada um com suas expectativas, conflitos e incertezas. São três gerações que já passaram pela escola. Os avós, pais e agora os netos. Mais de 90% dos nossos alunos são da comunidade. Acaba se tornando uma família. Conhecemos os avós, pais, tios, primos dos nossos alunos. Sabemos sua História, respeitamos a origem de cada um. A escola tem diversos sentidos para eles. É o que se mais debate com os profissionais que trabalham na localidade. Respeitar a História dos nossos alunos, respeitar a História da Comunidade. Tratar nossos alunos com dignidade, podem brigar, podem exortar, desde que prove para os mesmos que tudo que está sendo dito é para o bem dele. Para seu crescimento, para ser uma pessoa melhor. Então, ser gestor da Escola do Rosaneves precisa ter essa sensibilidade. É um dos poucos órgãos públicos dentro de uma comunidade, a comunidade espera muito da escola, a escola precisa ser útil para a comunidade. Quem é o gestor da escola precisa ter essa sensibilidade.  

 6 - Você é um exemplo de que a educação é uma maneira de mudar as pessoas e a sociedade onde vivemos. Como transferir agora para os jovens e crianças de hoje? 

Nossa sociedade foi construída em torno da violência e repressão. Falta diálogo, falta interação entre as pessoas. Os pais não tem tempo para seus filhos, devido o árduo trabalho, pouco tempo para estar em família. A escola é um dos poucos espaços que podemos estabelecer diálogos, instrução, dar aos mesmos um outro olhar sobre a vida. Como podem visualizar a vida depois que saírem da escola. Que existe vida além da Escola Estadual do Bairro Rosaneves. Outra forma de se educar nos dias de hoje na escola. Por meio do exemplo e das atitudes. A escola tem essa imensa possibilidade, mostrar para os alunos que educação é um processo. Eles entram crianças e saem adultos. Como o tempo traz tantas informações para eles. Nós somos os agentes que temos que criar condições de ampliação dos horizontes dos alunos. Mostrando o passado, como precisam valorizar o tempo que estão ali. No qual os pais, ou avós não tiveram a mesma oportunidade.